quinta-feira, 4 de outubro de 2012

Um episódio de luz, na vida de um Santo





Domério de Oliveira

de São Paulo, SP

Para nós, adeptos do Espiritismo, Santo é todo Espírito de grande evolução, que já atingiu o estágio de Espírito Puro, sem qualquer mácula, e, quando encarnado, revela-se como uma criatura sumamente bondosa, sumamente caridosa, sumamente virtuosa. Sim, uma Luz que se materializa.

Para mim, Santo é aquele "Ser" que demonstra uma suprema Grandeza de Alma que devemos eleger como Paradigma.
Na Hagiografia, encontramos a vida de Francisco de Assis, uma linha reta, toda tarjada de pontos luminosos que O qualificam como um Verdadeiro Santo.

São Francisco, assim conhecido por todas as correntes religiosas e por todas muito respeitado, por certo, mostrou-nos o quanto vale o Amor e fez renascer nos corações aquele Cristo de há dois mil anos, fundindo todas as virtudes, na expressão que a sua vida nos oferta. Sim, São Francisco venceu a morte, porque venceu todas as imperfeições, lutou contra os instintos, consolidou os Dons Espirituais no coração e irradiou o Bem em todas as direções.
Meus amigos, vejamos um episódio de luz em sua vida, quando passou por este nosso plano: O Iluminado de Assis, certo dia, saiu de Roma e desceu para Óstia, onde O aguardavam alguns dos seus Discípulos. Sabemos que Óstia fica à margem do mar Tirreno, do lado oposto ao Adriático e, por força da natureza, localiza-se no joelho da bota de que a Itália tem a forma.
Todos os Frades, companheiros de Francisco, ficaram eufóricos com os acontecimentos em Roma que favoreciam os legítimos ideais cristãos sustentados pelo Poverello. Assim, todos reunidos, Mestre e Discípulos, percorreram um longo trecho do caminho, até que avistaram um casebre, onde residia uma família que vivia de pesca. Francisco bateu à porta, pedindo água, pois, todos estavam com bastante sede, e, atendeu-Lhe um senhor robusto e triste que andava às apalpadelas, deslizando as mãos nas paredes, por lhe faltar a vista. Francisco e companheiros saudaram o dono da casa, serviram-se da água fresca de um grande pote de barro queimado, preso a uma forquilha de madeira. Saciada a sede, acomodaram-se por convite do pescador que chamou sua mulher e seus filhos. Estes, ainda crianças. assentaram-se nos colos dos Frades; o menorzinho, de pouco mais de um ano, estendeu os bracinhos para Francisco que o acolheu sorridente. O casal, admirado com a fraternidade daqueles homens, sentiu-se à vontade. O dono da casa, um velho pescador, narrou-lhes o acontecimento que provocou a cegueira. Todos ouviram, com atenção, o drama que ocasionou a cegueira no velho pescador. Este acabou confessando que, mesmo cego, tinha a faculdade de ver coisas maravilhosas e que, naquele instante, conseguia ver os visitantes, todos revestidos de luz. Mesmo cego, sinto com isso satisfação que me consola e me dá esperança. A mulher do pescador, também confessou: — Depois da situação do meu marido, o sofrimento para nós é sem conta; vivíamos da venda de peixes, mas, agora, estamos vivendo de esmolas que nem sempre ganhamos. Penso em ir eu mesma pescar, mas temo as águas perigosas do mar...
O silêncio dominou o ambiente e alguns dos Frades oraram com fervor. Francisco tomou a palavra, como Verdadeiro Mestre da Paz e disse com tranqüilidade:
— Meus filhos, devo dizer a todos que o nosso irmão não ficou cego; ao contrário, agora ele vê mais do que antes poderia observar, porque está enxergando as coisas da Alma e do Verdadeiro Mundo para onde deveremos ir ao findar as nossas vidas terrenas. O corajoso pescador sentiu nas palavras de Francisco um consolo e uma força que lhe fortaleceu a paciência e a esperança no futuro.
Francisco levantou-se e disse ao bom pescador:
__Querido irmão das águas!...
Vamos pedir a Deus que fez também os mares, que deu vida aos peixes, que salgou as águas, que fez os ventos, que fez a Terra, a Luz e as Estrelas, que fez tudo e muito mais que não podemos observar, que fez as maravilhas que tens visto, que te permita a ver como antes. Vamos pedir a Nosso Senhor Jesus Cristo, o Canal de Deus para a Terra, que nos ajude em sua imensa misericórdia e com o seu Amor sem limites e a Maria Santíssima, mãe de Jesus e nossa, que nos abençoem, neste instante e que a Graça do Senhor venha em favor dos que sofrem e choram. Podemos recordar quantos cegos foram curados pelo nosso Divino Amigo. E suplicou, em voz alta:
— Mais um, Senhor! Se for da tua vontade que este homem veja novamente!"
(apud - livro - "Francisco de Assis" - pelo Espírito Miramez - Psicografia de João Nunes Maia).
Francisco, tocado de emoção, levou as mãos aos olhos do pescador cego e observou que um facho de luz esverdeada, de difícil explicação, vinha do alto e penetrava na base do crânio do pescador. E, então, disse, com autoridade:
— Abre os olhos e vê!
O pescador, livre da cegueira, gritou e pulou dentro da sua casa, dando graças a Deus pelo milagre da sua visão.
Eis aí, meus amigos, em linhas genéricas, um dos episódios de luz, na vida deste Santo. Até hoje, em nossos dias, quando a Ele suplicamos, com fé e Amor, sempre derrama sobre nós, seus irmãos mais débeis, cornucópias de Bênçãos.
Até hoje, ainda reboam em nossos ouvidos os dois últimos versos de sua famosa e universal, oração:
"É perdoando que somos perdoados e é morrendo que compreendemos a vida eterna".

(Jornal Verdade e Luz Nº 180 de Janeiro de 2001)

8 comentários:

  1. Estou muito infeliz pois meu marido me traiu com uma ex namorada , temos muitos anos de casados e sofri muito, pois quando descobri me descobri grávida dele, não consigo perdoa- lo ele continua ao meu lado, mas sei que gosta dela, apesar de Tb sentir que tem sentimentos por mim.
    Sei q se quiser ele continua comigo, mas não queria dessa forma, mas quando sei da aproximação dos dois eu me sinto muito mal, tenho a sensação que vou morrer.
    O que devo fazer? Lutar por esse casamento ou deixa- lo ir e talvez viver seu egoísmo como foi dito no texto?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cremos que a palavra certa não seja "lutar".
      Infelizmente algumas pessoas não se controlam diante de um relacionamento físico.
      Sentimos muito pelo que está vivenciando.
      Para continuarem juntos vc terá que superar essas lembranças ou aprender a conviver com elas, para não sofrer desta maneira e conseguir se relacionar de forma harmoniosa.
      Não existe uma receita. Você terá que perceber o que deseja lá no fundo do coração.

      Excluir
  2. Olá, preciso de uma luz vejo que vc responde às leitoras e decidi escrever sobre o que estou vivendo! Em outubro de 2015 fiz uma viajem para salvador e conheci um homem que ao vê-lo senti algo diferente uma atração que não era Fisica, passei mais dois dias na cidade e quando nos encontrávamos não precisávamos falar pois nossos olhos se conversavam, era mágico, e vivemos esses três dias como se fossem os últimos de nossas vidas. Quando voltei para casa, voltar à rotina, minha vida já não era a mesma, como se uma parte de mim tivesse ficado com ele... Pensávamos juntos, eu sempre sabia o que ele tava pensando, o que ele desejava, e não relutamos em começar um relacionamento, 1200 km nos separavam, mas estávamos juntos espiritualmente. Se foram 4 meses entre idas e vindas já fazíamos planos de casamento, amor eterno, filhos... Vivemos momentos incríveis e a sensação é que nos conhecemos a muitos anos! Incrivelmente sei coisas da vida dele que ele não me contou eu simplesmente senti... Nas últimas semanas senti ele distante, estranho, indiferente, ele é tímido e não conversava com mais ninguém... Ao perguntar o que estava acontecendo descobri ele conversou que desde os quinze anos sente uma angústia, tristeza profunda e vontade de morrer chegando a pensar em suicidio, esses sentimentos vinham e voltavam e ele não falava para ninguém por que achava que sozinho ia conseguir pássar por isso ou ia morrer! Nessa perspectiva ele falou que já não consegue lidar com a distância pois nos vemos uma vez por mês e dessa vez tá muito forte inclusive ele quase se suicida! Ao saber disso comecei a ler sobre o assunto e a melhor forma para ajudá-lo, acredito que ele esteja com depressao e a única pessoa que ele conversa sou eu, falei para mãe dele, mas ele não consegue falar o que sente para o psiquiatra. Ele está terminando comigo e depois pede para esquecer o que ele falou, ele disse que a distância está matando ele por dentro, e como ele ainda faz faculdade não pode vim embora, de acordo com ele se já fosse formado vinha embora. Tá com uma semana que estou sofrendo muito porque o amo, mas sinto que não tenho mais como ajudá-lo pois a cada vez que ele termina o namoro sinto uma dor na alma, não sei mas o que fazer, se o melhor para nós é nos distanciarmos, ou se eu arrisco minha saúde, para lutar por esse amor, sinto que estou muito abalada pois nunca amei ninguém assim! Preciso de uma luz!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Manuela perdoa só agora respondermos.
      Não sabemos como você está neste momento. Desejamos imensamente que as aflições tenham chegado ao fim. Não somos as pessoas corretas para aconselhar. O que nos chamou atenção, é a situação emocional por qual está passando o seu amigo. Compreendemos que sua presença possa deixá-lo confortável . Mas não deveria ser desta forma. Hoje ele solicita sua presença, amanhã será outra coisa. Realmente um tratamento se torna urgente. Desejamos também que seu amigo esteja se tratando. Não se luta por um amor, o amor por si deveria se bastar, mas compreendemos sua posição. Devemos fazer o que o coração nos pede, mas com convicção e força de propósito. Nunca por piedade, pois neste caso iria trazer sofrimento futuro. A distância física entre pessoas que se amam é sempre um sofrimento, é preciso aprender a lidar com isso. Mas seu amigo é bem fragilizado.

      atenciosamente

      Excluir
  3. Respostas
    1. Como vai?
      O Blog tem um sistema de segurança. Todo comentário precisa passar por nossa aprovação para ser postado. Isso nos assegura o impedimento de algum comentário mal-intencionado seja publicado. Esperamos a compreensão de todos.

      atenciosamente

      Excluir
  4. Estava mexendo em meus e-mails e me deparo com e-mails de um grande amigo, o qual sempre desejei ter algo mais.
    Entre tantos desencontros, tantas oportunidades (ou não) mal interpretadas, hoje ele está casado com uma filha recém nascida e eu casada com dois filhos. Se o casamento dele é tranquilo eu não sei, o meu nem sempre. Mas o fato é, que a conversa entre nós dois é sempre subliminar, não dizemos com todas palavras o que sentimos pelo outro. Quando ele está com saudades me manda msg particular e eu a mesma coisa. Já se passaram 16 anos desde a primeira vez que nos vimos. As penso que poderiam realmente nos entregar as palavras e ao amor, mas lendo esse artigo, percebi o quão estamos tentando evoluir. E dói a alma, o coração aperta de pensar que não estaremos juntos fisicamente nessa vida. Mas se é resignação que precisamos ter para vivermos juntos em outras vidas, é o que faremos. Por mais melhores amigos que sejam, o coracao não acelera e falta ar, e vc conta cada dia do ano para chegar em dezembro para se verem por 1h que seja. Uma ansiedade vivida a cada dia. Uma cumplicidade e parceira escondida dentro de nós. Sei que nos amamos e fazerem mos o possível para não sermos esgoista

    ResponderExcluir
  5. Obrigado pela presença compartilhando sua experiência.


    ResponderExcluir