quarta-feira, 8 de setembro de 2010

Palestras espíritas



As palestras espíritas são geralmente a primeira actividade em que os recém-chegados participam. Os palestrantes costumam esclarecer que, apesar de se falar de flosofia e moral cristãs, não se está numa igreja, pois o Espiritismo não é uma religião, pois não tem rituais, sacramentos, sacerdotes nem dogmas inquestionáveis.

As palestras espíritas baseiam-se sempre nas obras básicas da doutrina espírita, as de Allan Kardec, escritas com base nos ensinamentos do Mundo Espiritual. As boas palestras espíritas dirigem-se sempre, em primeiro lugar, aos que nada sabem sobre o assunto. Seria falta de cortesia partir do princípio de que quem vem às palestras públicas já sabe o que é o Espiritismo, e falar-se numa linguagem e conceitos que se tornassem incompreensíveis para quem desconhece o assunto. Para os que já sabem alguma coisa de Espiritismo existem cursos, estudos avançados - e as palestras públicas não deixam de ter interesse.
Nas palestras espíritas há sempre pelo menos duas pessoas na mesa ou na tribuna. É um princípio espírita haver sempre mais que uma pessoa na condução de qualquer trabalho, para que se possam corrigir mutuamente, se for caso disso.
Nos centros espíritas não é costume aplaudir-se os palestrantes. O palestrante não é mais "importante" que qualquer pessoa presente na sala. A tarefa do palestrante é fazer a sua palestra. Não é mais importante que a tarefa de qualquer outra pessoa ali presente, a quem cabe contribuir para um bom ambiente, ouvir com sentido crítico, questionar se for caso disso, e, se possível, fazer bom uso dos conhecimentos veiculados.

Em palestras realizadas fora das associações espíritas é costume aplaudir-se, porque a quantidade de não-espíritas presentes costuma ser grande e prevalece o velho princípio: "em Roma, sê romano".

terça-feira, 7 de setembro de 2010

Sintonia


O fascínio que Jesus exercia sobre todos que O defrontavam, derivava da sua superioridade espiritual.


Seus silêncios penetravam na alma dos seguidores, que se comoviam, submissos.

As Suas palavras ressoavam demoradamente na acústica dos seres que se deixavam na permear pelo verbo revelador.

Seus atos mudavam o habitual e apresentavam a sua natureza transcendente.

Quantos eram convocados, quase sem raciocinar, tudo abandonavam pelo prazer de O seguir.

Os que debandaram, no momento do testemunho, volveram, de imediato, autodoando-se, mais tarde, em holocausto de amor ou renasceram assinalados pela Sua convocação, seguindo-O com valor e renúncia total.

Ao Seu lado vivia-se o clima da esperança, em perfeita comunhão espiritual com a Vida Maior.

A morte, a ninguém se afigurava como o fim da vida, mas representava uma porta de acesso à Vida...

Faze uma avaliação dos teus atos e considera se estás em condições de partir.

O conhecimento espírita que te reconduz a Cristo, dá dimensão da responsabilidade que te cumpre desenvolver.

De bom alvitre, portanto, que reconsideres atitudes negativas, situações conflitantes e estados de perturbação que te assinalam as horas.

Colocando a vida espiritual em primeiro plano nas tuas atividades e conduta, a vida passará a ter sentido superior.

Sairás da torpe situação em que te debates a lutarás com mais decisão pela conquista de ti mesmo, em conseqüência, da tua paz.

Sintonizando com Jesus, sentir-te-ás fortemente atraído por Ele, e, mediante uma firme resolução, conquistarás, como os Seus primitivos seguidores, a felicidade que ainda não fruíste.

Xavier, Francisco Cândido. Da obra: Receitas de Paz. Ditado pelo Espírito Joanna de Angelis.